A Matriz energética, os interesses do Governo e o que esperar da energia solar em um (breve) futuro.

Marcus Bonassi Blog Leave a Comment

Como está a matriz energética de nosso país?

Passamos por um momento complicado para a geração de energia. Nossa matriz nacional depende em grande escala da água. Cerca de 65% segundo dados da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) e ao mesmo tempo passamos por um período longo de seca. Isto no mundo todo, não só no Brasil.
 
Esta dependência pode ser perigosa, já que a falta de diversificação na matriz energética gera dependência, e quando passamos por um período de seca sofremos estas consequências de maneira mais intensa.

Vamos observar o gráfico abaixo para analisar como esta composta a matriz atual de nosso país, ou seja, quais as fontes que temos em funcionamento e que abastecem as casas e empresas de nossa nação.

 

Matriz Energética

Figura 1 – Quantidade de instalações e porcentagem de participação de cada fonte energética na matriz nacional

*fonte: Banco de Informações de Geração BIG – ANEEL – 2017

Esta imagem mostra nossa matriz energética atual. Acontece que com a baixa nos níveis de água são acionadas as Termelétricas. As Termelétricas estão em segundo lugar na geração de energia para nosso país. A grande questão é que ela é mais cara, isto leva a criação de bandeiras “especiais” para compensar os custos de operação. Além disto o custo das tarifas tendem a aumentar mais do que o esperado nos próximos anos se este cenário permanecer. Vamos ver um exemplo do reservatório de Sobradinho (Estamos em Aracaju Nordeste, vamos pegar algo próximo) e ver como está a baixa na água.

Nivel da agua ONS

Figura 2 – Situação da água na Usina Hidrelétrica de Sobradinho

*fonte: Relatório ONS – 2017

 

Resumindo, temos baixa na quantidade de água a nível nacional. Grande dependência de água (PCH’s + UHE’s da Figura 1) que chega a quase 65% e com isto obriga-se a ligação das Termelétricas que hoje representam 27% da Matriz nacional, porém, são mais caras para o governo. Isto torna o preço da energia elevado.

A Energia solar mal aparece no gráfico acima. Vemos que ela ainda é muito pouco utilizada em nossa matriz e isto tem os seus porquês. Vamos ver isto no próximo tópico.

A questão da energia solar

A captação da energia solar não é das mais fáceis.

Nós temos muito mais energia solar disponível do que energia hidrelétrica. A questão é que como a água segue um caminho definido pelos rios, fica mais fácil concentrar esta força motriz e transformar em energia elétrica. Levando toda esta água para girar as turbinas.

Com o sol a questão é um pouco diferente. Você já participou daquelas festas de criança onde estouram o balão e voa doce pra todo lado e a gente ficava sem saber qual pegar?

Sol é energia “invisível” e nas formas de fótons, necessitamos de área para captação desta energia, onde a angulação, reflexão e posição dos painéis podem ser decisivos na hora de colher um bom resultado prático.

Com os rios isto é uma vantagem, já que o curso das águas é previsível e bem definido. A energia hidrelétrica se fosse utilizada de maneira racional, sem tantos represamentos, também é uma maneira limpa de gerar energia, diferente das termelétricas que dependem da queima de combustíveis para funcionar.

Resumindo… a tecnologia ainda é nova para conseguir concentrar e aproveitar da melhor maneira a energia solar.

Mas nos dias de hoje isto já está ficando diferente, e temos outros pontos a analisar que vão te ajuda a entender.

A questão da energia solar HOJE

A tecnologia vêm evoluindo e as condições para a aquisição de um sistema solar fotovoltaico estão ficando cada vez melhores. Isto vai possibilitar que cada vez mais pessoas pensem em captar e gerar sua própria energia.
O Governo vêm apoiando este tipo de geração.
Isto porque ele está preocupado com o planeta certo? Vamos ver…

Porque o governo apoia a energia solar fotovoltaica?

O Governo brasileiro (de forma tardia) tem tomado providencias para ajudar no desenvolvimento da energia solar em nosso país.O PROGD por exemplo foi uma ferramenta do governo para isto.

A Geração Distribuída representa uma maneira das reguladoras de energia “contratarem” os usuários da rede para produzirem energia.

Lembra lá em cima quando falávamos da situação atual da matriz energética em nosso país?

Pois bem. A Energia Solar Fotovoltaica, ou seja, a instalação de placas solares nos telhados e empresas é a maneira mais rápida e barata do governo começar a descentralizar a produção de energia e incentivar uma diminuição da demanda nacional. Claro que isto feito de maneira organizada para não prejudicar o lucro das grandes concessionárias.

Não se trata de teoria da conspiração. Trabalho com isto. A coisa é por ai.

Agora vamos pensar. Seria viável a instalação de uma usina hidrelétrica na sua casa? Não. Eólica, talvez, mas mesmo assim existem complicações. Energia solar sim, você pode instalar no seu telhado e assim você se torna um parceiro das concessionárias e do governo. Sem custo nenhum para eles. Para você vai o ônus e o bônus.

Qual a tendência para este tipo de geração para o futuro?

Partimos para um tempo onde a energia solar é algo sem volta. Uma tendência global que irá se disseminar pelo mundo. Ela vem como uma maneira de independizar o cliente e torná-lo dono do que produz.O planeta passa por severas mudanças. Por medo ou por consciência a população mundial está cada vez mais aberta a possibilidade de gerar sua propria energia.

Uma pesquisa da Datafolha mostrou que 80% dos brasileiros já sabem que podem gerar sua própria energia. Isto mostra que informação existe e a aplicação desta tecnologia é uma questão de tempo e nada mais.

Como deve se comportar as tarifas de energia nos próximos anos?

Em contrapartida as tarifas tendem a subir bastante. Como citado acima, nossa matriz energética é dependente de água, cerca de 65%. Na sequência temos as termelétricas que correspondem a 27% da Matriz atual e cada vez mais estão sendo ligadas, tornando a energia mais cara para os consumidores.

Estou na hora certa de instalar ou devo esperar?

A conta para decidir o momento de investir na energia solar fotovoltaica, não pode ser pautada somente na questão do custo para aquisição e instalação dos painéis, já que o cenário que vivemos é intenso.

Crise política, crise hídrica batendo recordes históricos, fazem com que a análise do comprador seja mais detalhada e profunda para estabelecer uma escolha clara e consciente. Estamos em um bom momento para, ao menos, começar a viabilizar um projeto fotovoltaico.

Vamos aprofundar estes assuntos nos artigos.

#SeLigaNoSol

Engenheiro de Produção Eletricista, formado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Iniciou na universidade os estudos e pesquisas em energias renováveis. Passa seu tempo livre com música, trabalhos sociais, e diversão na natureza. Um entusiasta da energia em todos seus sentidos, trabalha hoje focado em energia solar fotovoltaica.